Nossa missão é preservar a vida dos pacientes e profissionais da área da saúde.

PortugueseEnglishSpanish

O coração do hospital: a rotina da Central de Materiais e Esterilização

O coração do hospital: a rotina da Central de Materiais e Esterilização

Dos curativos mais simples aos procedimentos cirúrgicos mais complexos, todas as configurações de uma infraestrutura hospitalar estão diretamente relacionadas ao CME (Central de Materiais e Esterilização). O centro, que movimenta produtos de saúde, é visto como o coração do hospital, pois sem ele o atendimento fica prejudicado. No entanto, mesmo com uma legislação rígida sobre o tema, muitas unidades hospitalares enfrentam problemas no dia a dia de trabalho.

Os processos básicos da CME incluem: inspeção, limpeza, preparo, embalagem, esterilização e armazenamento de produtos para saúde. E é fundamental garantir que o procedimento ocorra sem problemas em um ambiente totalmente adequado para que o processo de limpeza desses produtos não ameace a segurança dos pacientes e dos profissionais de saúde.

Um estudo publicado em 2004 pela Universidade do Litoral Oeste do Estado do Paraná relatou a necessidade de aumentar a conscientização sobre a relevância das CME para um ambiente hospitalar seguro. De acordo com a publicação, o centro costuma ser instalado em outra área, com móveis remanejados de outros ambientes e em colaboração com profissionais que ainda não se adaptaram à atividade.

Riscos – Seguir as melhores práticas é fundamental, pois a falha nesse processo pode contribuir para a persistência de sangue, fluidos corporais, tecidos e outros detritos biológicos em alguns desses dispositivos2. Se isso acontecer, esses resíduos normalmente invisíveis favorecem a formação de biofilmes na superfície do material, aumentando o risco de infecção associado à realização do procedimento. Além disso, o reprocessamento inadequado pode levar a outros eventos adversos, como irritação da mucosa e do tecido devido a resíduos desinfetantes no material devido a etapas de lavagem com falha.

Infecções de sítio cirúrgico são alguns dos eventos adversos mais e garantir a esterilização ideal em todos os produtos para a saúde é fundamental para mitigar qualquer risco. Porém não só o paciente cirúrgico fica exposto à riscos quando há falhas nas centrais de materiais e esterilização1. Se artigos de nebulização, por exemplo, não forem devidamente esterilizados, esses pacientes são expostos a possíveis infecções do trato respiratório, infecções essas que estão entre as três mais importantes no ambiente hospitalar.

As diretrizes também atuam para a segurança dos profissionais de saúde. Estudo3 publicado pela SOBECC (Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização) investigou a ocorrência de acidentes de trabalho e os principais riscos ocupacionais dentro da CME. Como resultado, concluiu que entre os acidentes de trabalho levantados, as lesões com perfurocortantes e as queimaduras por autoclave foram as mais representativas nas instituições.

Regulamentação – Aplicável a materiais reutilizáveis ​​como equipamentos, aparelhos e outros produtos médicos, o reprocessamento é regulamentado pela Anvisa (Autoridade Nacional de Vigilância Sanitária), além da RDC/Anvisa nº 15/2012 existem outras resoluções – estabelecendo requisitos Boas práticas em produto para saúde processamento – deve ser seguido. Primeiramente, para ser autorizado para reprocessamento, o produto não pode ser incluído na lista de produtos médicos de uso único mencionada na RE/Anvisa nº 2.605/2006 e não pode conter as palavras “Sem Reprocessamento” em seu rótulo, conforme RDC/ Anvisa nº 156/2006.

A RE/Anvisa 2.606/2006 propõe uma resolução para orientar o padrão de reprocessamento adequado, que trata do desenvolvimento, validação e implantação de protocolos para o reprocessamento de produtos médicos.

Quando se fala em uso único, um manual apresentado pela Anvisa trata dos aspectos legais, éticos e técnicos do reprocessamento de produtos e afirma que o material não pode ser reutilizado se:

– Comprovado que todas as superfícies do material não podem ser limpas;
– A esterilidade pós-reprocessamento não pode ser demonstrada;
– A avaliação de resíduos químicos tóxicos indica risco de uso no paciente;
– A integridade e funcionalidade do dispositivo de uso único não podem ser demonstradas e documentadas como seguras para o paciente.

Categorias e Equipes – Os Centros são divididos em duas categorias. O CME Classe I processa produtos de saúde não críticos, semicríticos e críticos de conformação não complexa para facilitar o processamento; o CME Classe II realiza todas essas operações, bem como processa produtos críticos com conformações complexas.

Para coordenar todas as atividades ali realizadas, devem contar com um profissional responsável, de nível superior, que, para a Central de Materiais e Esterilização Classe II, deve atuar exclusivamente na unidade durante toda a jornada de trabalho.

Todos os profissionais devem receber treinamento específico e regular sobre temas como classificação de nutracêuticos; conceitos básicos de microbiologia; transporte de produtos contaminados; monitoramento de processos por meio de indicadores químicos, biológicos e físicos; rastreabilidade, armazenamento de produtos higiênicos e distribuição; manutenção da esterilidade; e processo de limpeza, desinfecção, preparo, inspeção, entre outros.

Além de uma equipe dedicada trabalhando no CME, qualquer unidade que realize mais de 500 procedimentos por mês (excluindo entregas) deve ter um Comitê de Controle de Produtos de Saúde (CPPS) e, claro, o chefe do CME.

Cenário – Um estudo realizado pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia analisou as condições técnicas para o reprocessamento de produtos médicos em hospitais. Como resultado, depois de estudar quatro hospitais, ele concluiu que as instalações eram geralmente mal equipadas, o que aumentava o risco para os pacientes.

Os hospitais analisados ​​possuem CME (Central de Materiais e Esterilização) próprios para reprocessamento interno de produtos médicos. A coordenação dessas unidades é dirigida por enfermeiros, que nem sempre compreendem e compreendem plenamente a legislação vigente.

Outro ponto relevante – e tem impacto direto na gestão de risco – estava no fato de que nenhuma das unidades analisadas contava com um comitê responsável pelo gerenciamento dos produtos médicos da instituição. Além disso, em todos os hospitais observados a temperatura e a umidade relativa do ar eram inadequadas; não havia água quente nas pias utilizadas para limpeza dos produtos contaminados (água quente é fundamental para o uso de detergentes enzimáticos); não havia sistema de água potável com filtro bacteriano para retenção de conteúdos microbianos da água usada na limpeza dos artigos; não existiam lavadoras ultrassônicas (imprescindíveis para limpeza de produtos canulados) nem secadoras automatizadas; não havia balança para controle de peso dos pacotes a serem esterilizados; entre tantos outros pontos problemáticos.

A Sanders do Brasil possui soluções para sua Central de Materiais e Esterilização, como autoclaves, lavadoras ultrassônicas, reprocessadoras de endoscópios, termodesinfectoras, entre outros, todos equipamentos destinados a segurança do paciente e dos operadores.

Conheça nossas linhas de produtos, acesse nosso site: www.sandersdobrasil.com.br

Facebook
Pinterest
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Inscreva-se em nosso boletim informativo para obter informações atualizadas, notícias, insights ou promoções.

Ultímos Artigos